(Resumo da palestra proferida em junho de 2003 na União dos Delegados Espíritas de São Paulo, pelo Delegado Manoel da Cunha) Senhor Presidente, Senhoras e Senhores, Prezados Colegas: honrado com o convite para falar nesta União dos Delegados Espíritas, escolhi discorrer sobre o nosso colega, já desencarnado, Raphael Américo Ranieri, com o qual convivi em certa fase da minha carreira policial.

Ranieri nasceu em Belo Horizonte em outubro de 1919 e desencarnou em Guaratinguetá em 28 de maio de 1989, antes de completar 70 anos de idade. Era o tipo do mineiro simples, bom e contador de "causos". Tornou-se espírita após a morte repentina de sua primeira filha, Heleninha, com 3 anos de idade, após o que, fenômenos estranhos passaram a ocorrer em sua casa, denunciando a presença da menina. Era cético. Mas sua esposa, inconformada com a perda da filha, ficou muito impressionada e foi aconselhada por uma amiga a procurar um centro espírita, ao qual ele a levou, depois de muita insistência. Acabou tendo a comunicação da filha, de maneira a não duvidar da sua autenticidade.

Assim, passou a estudar a Doutrina Espírita e descobriu-se médium intuitivo e psicógrafo. Escreveu, ao longo de sua vida terrena, 28 livros doutrinários, dentre os quais se destacam "Materializações Luminosas" e "Forças Libertadoras". Participou de trabalhos de materializações com o famoso médium “Peixotinho” e até com a presença de Chico Xavier, os quais registrou, com pormenores, nas duas obras citadas. Na década de 1950, ajudou fundar em Belo Horizonte a "OSCAL" - Organização Social Cristã André Luiz, também conhecida por Movimento da Fraternidade, que fundou vários Grupos em todo o Brasil, dedicados a trabalhos experimentais de materialização de espíritos, voltados para a cura de enfermos.

Bacharel em Direito pela Universidade de Minas Gerais, também no final da década de 1950 foi nomeado Delegado de Polícia no Estado de São Paulo, tendo servido em várias cidades, sempre participando de atividades espíritas, inclusive como palestrante. Designado Delegado Regional de Polícia de Guaratinguetá, talvez por influência da Espiritualidade Superior, para contrabalançar as forças contrárias de Aparecida, soube conviver com os adversários do Espiritismo naquele núcleo de grande influência católica, angariando respeito e consideração. Voltado para a assistência aos mais necessitados, utilizou os parcos recursos de transporte da sua repartição para conduzir doentes para internações e tratamentos em São Paulo, numa época em que as prefeituras não davam essa assistência e as pessoas, em desespero, acabavam buscando a Delegacia de Polícia. Em 1968, em pleno regime militar, com o bipartidarismo ARENA e MDB, foi eleito prefeito de Guaratinguetá por este último partido, tornando-se também um líder político respeitado na região, tanto que, em 1974, foi eleito deputado estadual, com expressiva votação. Desiludido com a política, não se candidatou à reeleição, reassumindo suas funções policiais em São Paulo. De dezembro de 1958 a janeiro de 1965, fui Escrivão de Polícia em Piquete, cidade integrante da antiga Regional de Guaratinguetá. Ao saber-me espírita, Ranieri, meu chefe mediato, convidava-me para participar de trabalhos de materializações no Grupo da Fraternidade "Carmen Cinira", em Cruzeiro, que fundou juntamente com o tabelião e compositor espírita João Cabete. Ranieri fundou também o Grupo da Fraternidade Irmão Altino, em Guaratinguetá, que funciona até hoje e desenvolve um grande trabalho de assistência material e espiritual na cidade, além de manter a Editora da Fraternidade. Ranieri era uma pessoa bem-humorada, que dava prazer em privar de sua companhia. Sua partida repentina, por um derrame cerebral, causou consternação naqueles que o conheciam e com ele participava de trabalhos no Grupo da Fraternidade Irmão Altino. Obs.: O palestrante narrou, na ocasião, alguns casos interessantes ocorridos com o Ranieri, envolvendo fatos e fenômenos espíritas, e exibiu também algumas transparências sobre o resultado de trabalhos de materializações constantes do livro "Materializações Luminosas".

cunha